terça-feira, 21 de novembro de 2017

Quem está ajudando Bolsonaro a crescer nas pesquisas

Quem está ajudando Jair Bolsonaro a crescer nas intenções de voto não é só o antilulismo.
É quem acha que criminosos peemedebistas e tucanos devem escapar da Justiça que condenou petistas.
É quem vê na corrupção um problema menor e, no combate rigoroso a todos os corruptos, um “moralismo udenista”.
É quem usa a suposta defesa do Estado de Direito para proteger criminosos de colarinho branco com mandato e sem mandato.
É quem ataca diariamente a Lava Jato, acusando-a de cometer “exageros”.
É quem menospreza a criminalidade que assassina mais de 61 mil brasileiros por ano.
É quem, em nome do interesse exclusivamente pessoal, quer ser candidato do centro mesmo não tendo a menor chance de ser eleito.
É quem, com medos pessoais, hesita em ser candidato do centro mesmo tendo grande chance de ser eleito.
Bolsonaro, que está sabendo vender-se como o candidato anti-sistema, e não apenas antilulista, só tem a agradecer a essa gente.

Bolsonaro no Canal Livre da Band



Com Lula fora, PT aceita ser vice do PMDB. Globo apóia e deixa Temer em paz

Gente que transita nos corredores de Brasília, revela proposta do PT a Temer. Globo vem de carona.
Em política verdade muda em segundos. Pode não se confirmar, mas negociações estão em andamento.
Lula está descartado, só ele ainda não sabe.
PT não tem credibilidade pra tentar vôo solo, com ou sem Lula, mas principalmente sem.
PMDB ESPERA resultados positivos do Governo Temer, o que lhe daria força pra almejar objetivos maiores.
Globo caiu na vala comum. Denunciada na Lava Jato, apelou pra "resposta em nota oficial"; modus operandis de todo vigarista, vale como confissão de culpa.
Segundo consta, iniciativa veio da "Plin Plin", viúva da "lucrativa amizade" com Lula e desafeta declarada de Temer.
Emissora convenceu cúpula do PT, os que realmente mandam no Partido; não inclui Gleisi Hoffmann.
Lula está fora e legenda desmoronando. Aventura em 2018, diante de possível fiasco, sepultaria o futuro. 
Globo intermediou encontro, ergueu Bandeira de Paz ao PMDB, sutil rendição diplomática e se comprometeu em deixar Temer em Paz, tendo garantia do Governo de "ajudinha extra" na investigação que corre contra ela é generoso socorro financeiro.
Em troca daria apoio infinito à uma futura chapa PMDB/PT, indiferente dos candidatos e, em paralelo, atacaria Bolsonaro, Alvaro Dias e Moro, vistos como inimigos a serem derrotados.
Campanhas de desmoralização aos três, já estaria no forno.
Emissora garante ter o poder de esmagá-los de forma fulminante e definitiva.
Fala-se de uma doação caridosa de Temer à Globo, de forma inesperada; visível mudança de postura, capaz de dar oxigênio à combalida, que respira por aparelhos.
Nomes assustam. Até o show de horrores, Renan Presidente, Haddad Vice, não está descartado.
Resta esperar pra ver.

Cabral, Lula, Pezão e Dilma parecem não ter entendido que a festa acabou ✰ Comentário de Augusto Nunes

Novo diretor da PF (após encontro a portas fechadas com Temer) coloca data para o fim da Lava Jato

O diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, revelou que as investigações da Operação Lava Jato têm data para acabar.
Segovia reuniu-se com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, nesta semana e afirmou que a PF estuda realocar delegados para auxiliar nos processos que tramitam na corte. Os inquéritos e ações que estão no Supremo envolvem políticos com foro privilegiado, como senadores e deputados federais. 
Hoje, a PF tem 15 delegados atuando em 153 inquéritos no STF — boa parte deles abertos pela delação da Odebrecht.
Indicado por Michel Temer (PMDB) no dia 8 de novembro, o novo diretor da PF chegou ao cargo para substituir Leandro Daiello, que estava no posto desde 2011.
Sua indicação foi chancelada por políticos investigados pela Lava Jato, como o ministro-chefe da Casa Civil Eliseu Padilha. 
Até mesmo dentro da Polícia Federal sua escolha foi questionada. A Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) publicou uma nota criticando o processo de seleção e classificou a atitude como um movimento político.

Famiglia Lula da Silva agradece ao Brasil

Ciro Gomes merece a presidência do clube dos veteranos velhacos

Algum amigo precisa dizer-lhe que o papel de moleque boquirroto, que passou a vida desempenhando, 
já não combina com o Ciro sexagenário

A caminho do terceiro fiasco numa disputa pela Presidência da República, Ciro Gomes mantém intocados o vocabulário de bordel e a argumentação tão rasa que, na imagem definitiva de Nelson Rodrigues, qualquer formiga pode atravessá-la com água pelas canelas.
A cada campanha de Ciro, o que muda é o partido que lhe serve de coiteiro. No momento é o PDT, de Carlos Lupi, o bizarro ex-ministro do Trabalho de Dilma. Também mudam, claro, os alvos da discurseira de esgoto berrada com sotaque de coronel nordestino.
Quando foi ministro de Lula, por exemplo, Ciro enxergava no chefe o maior presidente da história. Hoje vê na mesma figura “um merda”, como revelou num palavrório recente.
Diretores de redação que antes bajulava para mendigar entrevistas e reportagens – eu fui um deles – agora se tornaram “jornalistas alugados que precisam garantir o emprego na idade provecta”. Eu seria um deles.
Para essa caricatura degenerada do Menino Maluquinho, envelhecer é crime. Ele nem desconfia que, nascido num clã de oligarcas, já era velho ainda nos trabalhos de parto. É compreensível que o cérebro grisalho tenha ordenado ao caudilho com pouco mais de 20 anos que começasse a carreira política no PDS.
Permaneceu até 1983 no partido que surgira das cinzas da Arena, concebido para dar sustentação parlamentar ao regime militar. Um ano antes da redemocratização, filiou-se ao PMDB para ampliar as chances de virar deputado estadual.
Foi o começo da romaria partidária que o levaria a alugar-se, arrendar-se ou vender-se ao PSDB, ao PPS, ao PSB e ao PROS antes de homiziar-se no PDT. É hora de algum amigo misericordioso dizer-lhe que o papel de moleque boquirroto, que passou a vida interpretando, já não combina com um sexagenário.
Desde 6 de novembro, Ciro Gomes desfruta dos privilégios concedidos aos idosos: filas preferenciais, meio ingresso em cinemas e circos, viagens rodoviárias gratuitas, estacionamento cativo — tudo isso está ao alcance do jurássico oportunista que se imagina jovem.
Queira ou não, ele foi incorporado à grande tribo dos provectos. Se criar juízo, deixará de chamar eleitores de “burros”, afirmar que o papel da mulher de um político é dormir com o candidato ou qualificar Fortaleza de “um puteiro a céu aberto”.
Caso mantenha o estilo, o sessentão idiotizado pela certeza de que o Brasil é uma imensa Sobral ficará alguns anos-luz mais longe do Planalto. Em contrapartida, estará cada vez mais perto da presidência perpétua do clube dos veteranos velhacos.

Marco Antonio Villa detona FHC sobre o Bolsonaro

"Palestras" renderam R$ 27 milhões para Lula. Em apenas quatro anos.

Nunca, antes, na história deste País, um palestrante faturou tanto e em tão pouco tempo, tudo para falar tão pouco e com tão escassos conhecimentos.
Em apenas quatro anos, a empresa de Lula recebeu R$ 27 milhões por palestras,. todas colocadas em dúvida pelas operações Lava Jato, Zelotes e Janus.
A Lils Palestras foi uma empresa de êxito na área, pelo menos até ser detonada pelas investigações do MPF e da PF, já que os negócios funcionavam como fachada para acobertar recebimento de propinas.
A revelação do valor foi feita hoje pela Receita Federal, que considerou a receita muito incompatível com a realidade do mercado.

Mensagem do deputado Jorge Picciani aos eleitores do Rio de Janeiro

Antes de ser preso, Picciani nomeou filha de Lula na Alerj

A filha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fatalmente será mais uma ‘funcionária fantasma’ da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.
Lurian Cordeiro Lula da Silva foi nomeada no dia 1º de novembro de 2017 para exercer a função de Assessora Parlamentar.
O ato de nomeação foi assinado pelo presidente da Alerj Jorge Picciani e pelo 1º secretário Geraldo Pudim. 
Veja o ato de nomeação:
A filha mais velha de Lula reside em Maricá (RJ) e não pretende se mudar para a capital.
Logo, parece óbvio que será mais uma assombração a infestar os corredores do legislativo carioca.

Faça duas buscas no Google: 1- Foro de São Paulo / 2 - URSAL

VEXAME! Caso da Ministra Luislinda Valois ganha repercussão internacional

A revelação do pedido da ministra Luislinda Valois, que requereu ao governo receber R$ 61,4 mil sob alegação de trabalho escravo, ganhou repercussão internacional. O caso revelado com exclusividade pela Coluna do Estadão estampou as principais páginas dos jornais e sites em países do mundo inteiro.
No Reino Unido, o News Week trouxe como título Brazilian Official Feels Like a ‘Slave’ Because She Only Earns $ 10,000 a Month (Autoridade brasileira se sente como escrava porque ganha só 10 mil dólares por mês). A matéria ressalta que o pedido foi feito em “um País onde média salarial da população está em torno de R$ 2 mil e há milhões de cidadãos vivendo na pobreza”. A mesma reportagem foi replicada em outros portais do Reino Unido.
O espanhol El Diário mostrou que que “Polémica en Brasil tras pedido de ministra de DDHH para acumular sus salários” (A polêmica no Brasil com o pedido da ministra de Direitos Humanos para acumular seus salários). O texto retrata que o governo brasileiro se envolveu em nova situação embaraçosa com o requerimento de Luislinda.
O argentino La Nacion diz que “Una ministra brasileña se queja de que la “esclavizan” (Uma ministra brasileira se queixa de sua ‘escravidão’”. O repórter destaca que a ministra, beneficiária de uma série de privilégios, reclama de não receber as remunerações integrais.
Luislinda Valois tem uma aposentadoria como desembargadora de R$ 30,4 mil. Como ministra, teria mais um salário de R$ 30 mil, mas devido ao teto constitucional não pode receber mais de R$ 33,7 mil. No entanto, em um pedido de páginas, Luislinda tentou receber R$ 61,4 mil sob alegação de “trabalho escravo”.
O francês Invertália destaca que Brasil enfrenta “novela controversa” e traz o título: Controverse au Brésil après la demande du ministre des Droits de l’Homme d’accumuler leurs salaires (Controvérsia no Brasil com demanda da ministra dos Diireitos Humanos para acumular seus salários).
Já em Portugal, o Publico repercutiu a entrevista que a ministra Luislinda Valois deu à Coluna do Estadão. O título Ministra pede salário de mais de 16 mil euros. Porquê? “Trabalho de escravo”. No texto, a reportagem mostrou que a Luislinda pediu para acumular pensão de juíza com o salário de ministra porque “como governante, tem de se apresentar “trajada dignamente”: “É cabelo, é maquilhagem, é perfume, é roupa, é sapato, é alimentação””, retratou o jornal português.

Glória Maria polemiza com postagem em véspera do Dia da Consciência Negra

Fim da obrigatoriedade do imposto sindical obrigou a CUT a cortar 60% da folha de pagamento

A notícia publicada pela Folha no 18 de novembro de 2017  é extremamente inusitada. Acostumada a promover greves contra “patrões”, a CUT se viu alvo de uma ameaça de paralisação. Motivo: após o governo Temer conseguir acabar com a obrigatoriedade do imposto sindical, a Central Única dos Trabalhadores se viu obrigada a se livrar de 60% da própria folha de pagamento.
Para tanto, iniciou um Plano de Demissão Voluntária. Que desagradou boa parte dos 178 empregados, resultando na revolta contra os patrões. Desta vez, contudo, o alvo era a própria entidade.
Não foi informado o tamanho do prejuízo acumulado após a reforma trabalhista, mas sabe-se que, em 2016, a CUT recebeu quase R$ 60 milhões em contribuições – ou mais de R$ 336 mil por funcionário.
Mas, claro, nem tudo é investido em mão de obra. Parte dos recursos foi usado para bancar estrutura que acompanhou Lula em suas caravanas acusadas nas redes sociais de serem campanha antecipada.
Ainda assim, tratava-se de quantia suficiente para permitir que Delúbio Soares, mensaleiro condenado, recebesse R$ 15 mil de salário,
Realidade semelhante tem sido enfrentada por outras centrais sindicais.
Se o governo Temer não fez por merecer o esforço do brasileiro em derrubar Dilma Rousseff, o sufoco vivido pelo sindicalismo predatório nacional tem servido de consolo.

Fim do imposto sindical ✰ Comentário de Paulo Eduardo Martins

Se imposto sindical é bom, por que é imposto? ✰ Comentário de Kim Kataguiri

Só neste ano, a presidente expurgada Dilma Roussef já visitou 8 Países e nos custou meio milhão de reais

Presidente cassada continua gastando o dinheiro do contribuinte para divulgar mentiras no exterior

Deliberadamente ignorando o fato de que a economia brasileira começa a reconquistar a confiança dos investidores nacionais e estrangeiros e, consequentemente, a dar sinais claros de recuperação, a presidente cassada Dilma Rousseff continua gastando o dinheiro do contribuinte para divulgar no exterior mentiras sobre o Brasil. Em Berlim, em entrevista à Deutsche Welle, Dilma perseverou na tentativa de denunciar o “golpe” de que foi vítima e despejou mais um amontoado de inverdades, como a de que por aqui “as crises só se aprofundam”, e de sandices, como a de que a elite brasileira está empenhada em inviabilizar a candidatura presidencial de Lula para, “aí, vender o pré-sal”.
Todo ex-presidente da República tem direito de manter, à custa dos cofres públicos, uma equipe de assessores e seguranças, bem como os deslocamentos da equipe no País ou no exterior. No primeiro semestre deste ano, com viagens à Suíça, França, Estados Unidos, Espanha, Itália, Argentina e México – às quais se soma, agora, a visita a Berlim –, a equipe de Dilma já havia custado ao Tesouro mais de meio milhão de reais, o triplo do que gastaram, juntos, no mesmo período, todos os outros ex-chefes de governo. Questionada, a assessoria da ex-presidente informou que “nenhuma pressão fará com que a presidenta eleita Dilma Rousseff deixe de viajar, interrompa as denúncias sobre o golpe de Estado ocorrido em 2016 e as perversas e nefastas consequências que se abatem sobre a população brasileira”. Se em seu país Dilma tem o caradurismo de sustentar essa versão deturpada da realidade, não surpreende que ela propague escandalosas mentiras no exterior, para um público que acompanha – quando acompanha – a distância os acontecimentos no Brasil. É mais um desserviço que, agora por revanchismo, a presidente cassada presta a seu país.
Confrontada, na entrevista, com questões duras sobre seu comportamento na Presidência da República e após o impeachment, Dilma perseverou na velha tática lulopetista de usar o ataque como defesa: “Alegaram que o impeachment ia resolver a crise econômica, mas essas crises só se aprofundam. O atual presidente usurpador já foi denunciado duas vezes, e o senador Aécio Neves também, ambos enfrentam provas cabais e gravações. Mas essas duas pessoas continuam em seus cargos, enquanto outras duas (ela própria e Lula) são acusadas apenas por terem sido presidentes”. Vale destacar: “Apenas por terem sido presidentes”.
Dilma aproveitou a entrevista também para revelar-se magnânima em relação a uma questão que classificou de “relevante”: “Não acho que perdoar golpista é perdoar o PMDB e o PSDB. Acho que perdoar golpista é perdoar aquela pessoa que bateu panela achando que estava salvando o Brasil, e que depois se deu conta de que não estava. Uma hora nós vamos ter que nos reencontrar. Uma parte do Brasil se equivocou. Agora, isso não significa perdão àqueles que planejaram e executaram o golpe. Você tem uma porção de pessoas que foram às ruas e que estavam completamente equivocadas. Mas você não vai chegar para elas e falar ‘nós vamos te perseguir’. Precisamos criar um clima de reencontro, entende? Não vai ser um clima vingativo, não pode ser isso”.
Com uma sonora gargalhada, Dilma rebateu na entrevista a pergunta sobre se não seria o momento de abrir espaço para novas lideranças, especialmente de esquerda: “Isso se chama ‘como tirar o Lula da parada’. Tá entendendo?”. E após desqualificar todos os nomes que, à exceção de Lula, surgem como candidatos potenciais à Presidência da República, a senhora Rousseff pretendeu liquidar o assunto com uma tirada de graça menos que duvidosa: “Sabe o que eu acho que é novo? Esse foi um pensamento que tive depois do caso do William Waack. Você sabe o que é coisa de preto? O PT é coisa de preto. O Lula é coisa de preto. Nós somos coisa de preto. Eu sou uma coisa de preto”. O que se pode dizer é que um despautério desses é, definitivamente, coisa de Dilma.

Dilma torra dinheiro do Brasil com tropa petista na Europa ✰ Comentário de Joice Hasselmann

Dilma segue rodando a Europa com uma tropa de assessores bancados com nosso dinheiro.
Medida feita por Lula garante assessores, carros, motorista, diária, passagens e muito mais, tudo com o dinheiro público.

Com filho no colo, PM de folga reage a assalto e mata ladrões em farmácia

Um policial militar de folga matou dois ladrões que tentaram assaltar uma farmácia no Jardim Paulista, em Campo Limpo Paulista (SP), na noite de sábado (18).
O policial estava na farmácia com a mulher e com o filho pequeno no colo, quando os criminosos – um deles armado – entraram e anunciaram o assalto (veja no vídeo acima).
De acordo com o boletim de ocorrência, logo que entrou na farmácia, o suspeito apontou a arma em direção ao policial militar com a criança no colo. Na hora, o PM se identificou, sacou o revólver e deu ordem de prisão para os criminosos.
No entanto, o suspeito passou a atirar contra o policial que, mesmo com o filho no colo, revidou os disparos, matando o ladrão armado e também o comparsa – que já havia rendido o gerente da farmácia, ainda segundo o boletim de ocorrência.
A perícia técnica foi acionada, e a área da farmácia precisou ser preservada. Uma ambulância municipal chegou a ser chamada para socorrer os criminosos, mas eles não resistiram aos ferimentos e morreram no local. Já o policial e a criança não ficaram feridos.
Um revólver calibre 32 que estava com um dos suspeitos foi apreendido e levado para a delegacia. O policial militar, a esposa e o filho também foram até o plantão policial para o registro da ocorrência.
g1 

12ª Exposição de Veículos Antigos e Especiais - Campo Largo PR

Esposa é flagrada traindo esposo com "Novinho" e vídeo viraliza nas redes sociais


Viralizando nas redes sociais, vídeo mostra um marido que acabou de saber que estava sendo traído por um “novinho”.
No vídeo, o marido fica revoltado ao encontrar a esposa com em caso extraconjugal “Eu trabalho o dia inteiro pra isso”, afirma. A mulher sem reação não diz nada, o jovem ainda pede desculpas para o marido traído escondendo o rosto.
“Aqui ó, aqui ó, depois vem dizer que eu sou o errado. Eu trabalho o dia inteiro pra você fazer isso comigo”, diz indignado.
Nas redes sociais os comentários ficam divididos em apoio ao marido traído e a esposa que traiu. Uns dizem que ele não merece o que ele fez, mas por outro lado, dizem que é difícil julgar pois não sabe como é o comportamento do esposo dentro de casa. Não foi divulgado o local do flagra.
E você o que acha, deixe seu comentário:

21 de Novembro - Dia Estadual do Livro

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

O Reino Unido, a União Europeia e a "lenga-lenga" do BREXIT ✰ Artigo de Sérgio Alves de Oliveira

Tudo leva a crer que está faltando às autoridades do Reino Unido uma assessoria jurídica capacitada que lhes orientem no sentido da tomada de decisão de considerar-se definitivamente desligado da União Europeia, ultimando a saída do bloco nos termos do aviso prévio que já deu (brexit).
A União Europeia trata-se de um acordo político e econômico pactuado entre 28 Estados-membros Independentes, principalmente da Europa. Foi fundada em 1º de novembro de 1993, pelo Tratado de Maastricht, sucedendo a antiga Comunidade Econômica Europeia. Dito Tratado foi revisto, dentre outros, pelo Tratado de Lisboa, que entrou em vigor a partir de 2009, que é a versão vigente. Bruxelas foi definida como a capital do bloco. Seus organismos mais importantes são a Comissão Europeia, o Conselho da União Europeia, o Conselho Europeu, o Tribunal de Justiça da União Europeia, o Banco Central Europeu e, finalmente, o Parlamento Europeu.
Sem dúvida a UE foi fator de grande desenvolvimento, harmonia, segurança, paz e proteção à saúde e meio ambiente dos respectivos povos. O euro, como moeda comum dos seus países (exceto Reino Unido), talvez tenha sido a sua medida de maior impacto.
Mas parece que nos últimos tempos  certas infiltrações e políticas na sua atuação teriam desagradado pelo menos a um dos sócios, mais precisamente, ao Reino Unido, um dos membros fundadores da UE, que decidiu unilateralmente pelo seu  afastamento da organização, talvez pelo que observara de negativo relativamente a outros integrantes do bloco, onde o terrorismo tomava  contornos incontroláveis, sem qualquer iniciativa da UE  para evitar tais transtornos, e que, ao contrário, de certo modo até incentivava certas migrações, inclusive clandestinas, configurando  uma invasão islâmica exacerbada e fora de controle. Nesse sentido a UE agiu em perfeita sintonia com as novas políticas e diretrizes da Organização das Nações Unidas, também suspeitas e estabelecidas na mesma direção.
O Tratado de Lisboa, que hoje rege a UE, prevê no seu artigo 50 a possibilidade de desligamento de qualquer país membro.  Mas estabelece inúmeras condições para que se ultime esse desligamento. Já passou bom tempo e o Reino Unido não consegue essa liberação, talvez porque a UE não deseje abrir mão dessa grande potência política e econômica, possivelmente por considerar que em última análise essa saída (brexit) diminuiria a importância da organização, que tem personalidade jurídica própria.
Ocorre que o Reino Unido parece ignorar que existem certas normas no direito internacional hierarquicamente superiores às disposições estatutárias da UE, que condicionam o desligamento dos seus membros à burocracia das suas regras.
Pelas normas superiores do direito internacional, que obrigam a todos os países-membros da ONU, o eventual desligamento de um país da União Europeia pode dar-se em caráter ad nutum, ou seja, tão somente por sua livre e espontânea vontade e decisão unilateral. É o que se depreende da Carta das Nações Unidas, de 1945, em cujo Capítulo 1º, Artigo 1º, II, consta que dentre os propósitos das Nações, estão: Desenvolver relações amistosas entre as Nações, baseadas no respeito ao princípio de igualdade de direitos e de AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS....
Dita disposição das Nações Unidas foi expandida para maior clareza por intermédio do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos e do Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, também da ONU, ambos adotados na XXI Seção da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 19.12.1966, em cujos artigos primeiro, I, constou: art.1º, I: Todos os Povos têm direito à autodeterminação. Em virtude desse direito, determinam livremente o seu estatuto político e asseguram seu desenvolvimento econômico, social e cultural.
Deixando à margem qualquer discussão sobre se a decisão do brexit seria boa ou má para o Reino Unido, do ponto de vista exclusivamente jurídico, técnico, ele tem o pleno direito de considerar-se desligado da União Europeia, desde logo, ou nela permanecer parcialmente, se assim o desejar, em condições bilateralmente pactuadas.
Quando se examina os termos estatutários da União Europeia observa-se que em última análise por seu intermédio criou-se uma CONFEDERAÇÃO DE ESTADOS INDEPENDENTES, reunindo Estados-membros soberanos que renunciaram a uma parcela das respectivas soberanias em benefício da União Confederada. Embora não esteja escrito em nenhum lugar, a UE é de fato uma confederação. Portanto, é uma confederação de fato, não de direito. Toda organização da União Europeia coincide com a definição de CONFEDERAÇÃO DE ESTADOS. A Teoria Geral do Estado não deixa escapar nenhuma dúvida nesse sentido.
Ora, mesmo o país-membro de uma confederação de direito pode desligar-se dela unilateralmente, bastando que comunique essa decisão. Com muito mais razão esse direito se faz presente quando a confederação é informal, de fato, como é o caso da UE. O que está faltando ao reino Unido para ultimar seu desligamento da UE? Consciência desse direito? Atitude? Coragem?
Sérgio Alves de Oliveira - Advogado e Sociólogo
Atualizado em 21/11/2017

MPF pede mais R$ 24 mihões de Lula. Ele é um bandido perigoso ✰ Comentário de Joice Hasselmann

O ano de 2018 terá onze feriados prolongados; veja as datas

O ano de 2017 não acabou, mas, nas redes sociais, muita gente mostra que já está pensando nos feriadões de 2018. Não é por menos. Estão previstos 10 feriados nacionais prolongados de janeiro a dezembro do ano que vem, sendo que os moradores do Rio terão ainda outros dois feriados locais esticados: o Dia de São Jorge (23 de abril) e o Dia da Consciência Negra (20 de novembro).
Apenas dois feriados coincidirão com o fim de semana. O Dia de São Sebastião do Rio de Janeiro (20 de janeiro) cai num sábado, assim como o Dia de Tiradentes (21 de abril).
Confira abaixo as datas dos feriados de 2018:
Dia da Confraternização Universal — 1 de janeiro (Segunda) — feriado nacional
Dia de São Sebastião do Rio de Janeiro — 20 de Janeiro (Sábado) — feriado estadual do Rio de Janeiro
Carnaval — 13 de fevereiro (Terça) — feriado nacional
Paixão de Cristo — 30 de Março (Sexta) — feriado nacional
Tiradentes — 21 de Abril (Sábado) — feriado nacional
São Jorge — 23 de abril (Segunda) — feriado estadual do Rio de Janeiro
Dia do Trabalho — 1º de Maio (Terça) — feriado nacional
Corpus Christi — 31 de Maio (Quinta) — ponto facultativo
Independência do Brasil — 7 de Setembro (Sexta) — feriado nacional
Nossa Senhora de Aparecida — 12 de Outubro (Sexta) — feriado nacional
Finados — 2 de Novembro (Sexta) — feriado nacional
Proclamação da República — 15 de Novembro (Quinta) — feriado nacional
Dia da Consciência Negra — 20 de Novembro (Terça) — feriado estadual do Rio de Janeiro
Natal – 25 de Dezembro (Terça) — feriado nacional

Loucura, loucura, loucura!

Bem, tem doido para tudo. Essas duas faixas, pró-inocência de Cabral, na Barra da Tijuca, e pró-Sarney, em Brasília são simplesmente inacreditáveis. No caso de Cabral é um grupo organizado pelo deputado Marco Antônio Cabral, filho do ex-governador, já com relação ao ex-presidente deve ser alguém saudoso.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...